19.12.07

Vamos errar outra vez...

Transamazônica ontem:



Planejada para integrar melhor o Norte brasileiro com o resto do país, foi inaugurada em 30 de agosto de 1972. Inicialmente projetada para ser uma rodovia pavimentada com 8 mil quilometros de comprimento, conectando as regiões Norte e Região Nordeste do Brasil com o Peru e o Equador, não sofreu maiores modificações desde sua inauguração.


Transamazônica hoje:


Alegria dos jipeiros



Usina Hidrelétrica de Balbina ontem:


Manaus era abastecido de energia termoelétricas que queimavam petróleo. O aumento dos preços do petróleo, a partir de 1973, levou o governo a optar pela construção de uma usina hidrelétrica capaz de suprir Manaus e substituir as termoelétricas.


Usina Hidrelétrica de Balbina hoje:


Balbina é uma tragédia ecológica, pois destruiu uma área enorme de floresta, destruindo milhões de árvores. Acontece que o rio Uatumã está localizado em região de relevo quase plano, e, por isso, a represa criada pela barragem inundou um espaço exagerado. Não foi só a floresta que se perdeu, mas também muitas espécies animais que habitavam aquele meio ecológico.


Rio Madeira e São Francisco hoje:






Rio Madeira e São Francisco amanhã:

O presente será promissor: investimentos e votos. O futuro a história já ensinou mas ninguém aprendeu

3.12.07

Comissão do Senado aprova projeto que regulamenta profissão de ecólogo

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal aprovou, nesta quarta-feira, 28, o Projeto de Lei 591/03, do deputado Mendes Thame (PSDB-SP), que regulamenta o exercício da profissão de ecólogo, fixa seu campo de ação e as exigências que deverão ser preenchidas pelos que quiserem exercer tal profissão. O projeto já havia sido aprovado na Câmara dos Deputados, em caráter conclusivo.

Segundo Mendes Thame, a presença do ecólogo nas equipes multidisciplinares criadas para a solução de problemas ambientais é imprescindível, permitindo a melhor compreensão das causas de tais problemas, bem como a busca por soluções coerentes com a preservação da natureza. “O ecólogo vem tendo ampla atuação nas áreas de conservação da biodiversidade, manejo de vida silvestre e avaliação e controle de impactos ambientais, entre outras”, justificou o deputado.

O projeto prevê que as atribuições dos ecólogos também podem ser exercidas por profissionais com outras formações que desempenhem atividades do meio ambiente ou em áreas correlatas. A medida evita que a regulamentação da nova profissão venha a criar uma espécie de reserva de mercado em setores que também podem ser exercidos por profissionais, como engenheiro florestal, agrônomo, biológo e arquiteto.

O tema ambiental ganhou repercussão mundial a partir da Conferência de Estocolmo, em 1972. Quatro anos mais tarde, foi criado no Brasil o primeiro curso de graduação em ecologia para atender as demandas ambientais. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Ecólogos, Elisa Madi, a regulamentação da profissão de écologo, aguardada há quase três décadas, permitirá o exercício pleno da profissão por esses profissionais e contribuirá muito para ajudar a garantir o direito de qualidade de vida a todo o cidadão, como prevê a Constituição Federal.


Fonte – Agência Câmara/Agência Senado