13.8.06

Enquanto isso no mundo real.....

Adoro entrar no site da Secretaria do Meio Ambiente de SP, muito informativo e complexo.
Como estou com o pulmão cheio de cinza de cana queimada, entrei neste site para verificar o que o nosso governo está fazendo para amenizar ou ajudar a gente, pobres mortais não-possuidores de latifúndios agrobussiness de cana. Bem, a situação é interesante. A queima foi proibida no fim de julho devido a baixissíma umidade relativa do ar, agora novamente a queima é liberada, porém em algumas cidades não. Estranho, porque tem cidades próximas com a mesma situação climática porém com leis diferentes. Aqui pode, mas aqui não pode? As cidades do circuito do fogo e cinza de Ribeirão Preto não podem queimar, mas cidadezinhas próximas, engolidas recentementes pela industrias alcooleiras, podem queimar a vontade.
O mais interessante é que tem um site da secretaria (SIGAM - Sistema Integrado de Gestão Ambiental - SMA/CPRN) que informa sobre a Eliminação Gradativa da Queima da Palha da Cana-de-Açúcar e dá diretrizes para uma queima com baixos impactos ambientais. Uma das diretrizes brilhantes é sobre os cuidados com a fauna na hora da queima, segue abaixo:

PROTEÇÃO DA FAUNA
medidas a serem adotadas
- realizar as queimadas de forma unidirecional visando permitir a fuga dos animais para áreas do entorno.

- realizar, preferencialmente, a queimada no sentido das áreas florestadas com intuito de direcionar a fauna às mesmas.

- Cabe salientar que é necessária a formação de aceiros para a proteção das áreas florestadas, conforme a lei 10.547/00 e a lei 11241/02, visando a preservação dos locais de fuga da fauna a ser impactada.
É triste pensar que mesmo o Brasil tendo potencialidades em outros setores temos que engolir a seco a atribuição dada ao Brasil de celeiro produtivo (que beneficia só a elite). Queimem o solo, adestrem a biodiversidade para facilitar sua fuga do fogo, exportem soja com gostinho de cerrado para as vacas européias, exportem álcool para os carros japoneses.....e assim a biodiversidade e brasileiros com cinzas nos pulmões agradecem... Viva a inovação tecnológica do agronegócio.

2 comentários:

Maria Guimarães disse...

joão, bela iniciativa, a de ir atrás das informações sobre a queimada. se aqueles que determinam o mapa das queimadas já tivessem respirado o ar carregado de fuligem, as restrições seriam maiores...
resta a nós correr para a floresta!

João Carlos disse...

Isso se a madeireira não tiver chegado antes...

O Norte Fluminense, este ano, está sofrendo menos estes efeitos de queimadas pré-colheita. As inundações de Março e Abril reduziram muito as áreas plantadas. A Reserva Florestal de Poço das Antas agradece, penhorada, a Mamãe Natureza por essas chuvas: os incêndios na floresta vão ser bem menos numerosos.

Maria, não se iluda... "Aqueles que determinam o mapa das queimadas" inspecionam regularmente a região... a bordo de seus carros com vidros "fumé" e com o ar-condicionado ligado...